Pesquisar este blog

quinta-feira, 24 de maio de 2018


Segue o Jogo! 

Ex-assistente FIFA lança livro que conta os 100 anos da Arbitragem Brasileira


O ex-árbitro assistente FIFA Teodoro Castro Lino, recebeu na ultima terça-feira (22), na Livraria da Travessa, no Barra Shoppping, no Bairro da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro – RJ, amigos, convidados e o publico em geral para um bate-papo descontraído e noite de autógrafos no lançamento do livro “Segue o Jogo! – 100 anos da Arbitragem Brasileira de Futebol”.

Craque com as palavras e exímio contador de histórias pitorescas, apresenta a trajetória e faz uma justa homenagem na publicação aos principais apitadores e assistentes brasileiros em todos os tempos. Com prefácio assinado por Sergio Corrêa da Silva, Chefe do Departamento de Arbitragem da CBF, traz ainda depoimentos na contracapa de Arnaldo Cezar Coelho, Alex Escobar e Galvão Bueno.

Na obra de 102 páginas, o ex-FIFA e agora escritor, apresenta fatos desconhecidos, lembra de acontecimentos inusitados, narra casos pitorescos e conta histórias muito interessantes de dentro das quatro linhas. Essa obra, certamente, será um marco pelos justos e adequados critérios adotados pelo autor, para registrar o centenário da arbitragem brasileira.



Teodoro que foi árbitro internacional por cinco temporadas (92/97), é autor de outros dois livros “O Futebol Através dos Tempos” e “O Outro Lado do Futebol”, além de membro da Academia Goianiense de Letras.

Varia personalidades estiveram presente no lançamento, entre eles os ex-árbitros FIFA Carlos Eugenio Simon e Dacildo Mourão, listados no livro, o arbitro carioca Luís Antônio Silva Santos e os ex-assistentes FIFA Paulo Jorge Alves e Hilton Rodrigues Moutinho. Também presentes no evento os jornalistas esportivos Alex Escobar (Globo) Fabio Azevedo (Fox), Mauricio Menezes (Tupi) além do escritor Marcelo Migueres autor dos livros Caiu na aérea é pênalti, Caiu na rede é pênalti: Histórias pitorescas de árbitros de futebol e Copa do Brasil – Kabure, Cicero Ramalho e outra Historias.

Paulo Jorge, Carlos Simon, Alex Escobar, Teodoro Castro e Marcelo Migueres

Paulo Jorge, Teodoro Castro, Carlos Simon, Hilton Moutinho, Dacildo Mourão 


Com preço sugerido de R$ 29,90 (livro) e R$ 19,00 (e-book) pode ser encontrado na livraria Loja Boneker (clique aqui).

quinta-feira, 10 de maio de 2018


Super-árbitro FPF

CEAF Paulista escala árbitro em partidas no mesmo dia em cidades distantes 350 km uma da outra

Que a comissão de arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF) fez varias lambanças desde que assumiu não é novidade para ninguém. Que este departamento esta sob forte pressão desde que seu principal dirigente, Dionisio Roberto Domingos, foi acusado pelo Palmeiras de ter interferido na decisão do árbitro durante a final do Paulistão deste ano fazendo Marcelo Aparecido voltar atrás na marcação de uma penalidade em favor do time alviverde na derrota por 1 a 0 para o Corinthians também não é novidade. Agora escalar um árbitro em jogos da categoria de base em um mesmo dia em duas cidades diferentes cerca de 350 km distante uma da outra já é o cumula da incompetência!

O árbitro Fabiano Monteiro dos Santos está escalado duplamente na partida entre Botafogo e Sertaozinho (árbitro no Sub-15 e quarto árbitro no Sub-17) a ser disputado no sábado (12) pela manhã em Brodowski, com o segundo jogo que começa as 11 hs terminando por volta das 12:40. Com a confecção da sumula, almoço e outros afazeres, ele não deve sair do estádio antes das 14hs, mesmo horário que ele deveria estar chegando no Estádio do Canindé em São Paulo, onde ele será o quarto árbitro da partida entre Corinthians e AD Centro Olimpico (Sub-20). Só sendo o super-homem para conseguir chegar a tempo de cumprir a segunda escala (veja escalas abaixo).

Outra escala que chama a atenção é a da árbitra Fernanda dos Santos Ignácio de Souza que não da para saber se é um premio ou uma punição tendo em vista o boicote que esta comissão faz com o quadro feminino. Fernanda esta escalada no sábado a tarde em Barretos e no domingo em Embu das Artes, cidades distantes 450 uma da outra. Detalhe: Fernanda será árbitra do confronto de domingo, mesmo após os desgastes da viagem, do pouco sono e da adrenalina das partidas (veja escalas abaixo).

Observando as escalas pode se notar inúmeros erros, mas vou apontar somente mais um que na verdade nem é erro e sim falta de critérios ou muita boa vontade com alguns. Árbitros como João Batista do Nascimento Avelino (ótimo árbitro) e Willians Costa Rocha estão escalados neste fim de semana no Sub-20. Ocorre que esses árbitros são da turma atual, formados em 2017 e só atuaram nas categorias Sub-11 e Sub 13 até o presente momento. Além de serem promovidos sem passar pelas outras categorias (15 e 17), passaram na frente dos formados em 2013 que sequer chegaram ainda na categoria Sub-20.
João Batista Avelino

Essas escalas, além de deixarem os árbitros que estão aguardando oportunidades inconformados,  põem em cheque mais uma vez esta patética comissão de arbitragem chefiada por alguém que foi denunciado no passado de atitudes não condizentes com a função que ocupou e com a que ocupa no presente. 

Pelo informado, as designações das categorias de base fica a cargo do membro Luiz Vanderlei Martinuccio que tem mostrado a mesma incompetência dos tempos de apito.

Claro que a culpa também é de José Henrique, o suposto presidente ventríloquo que além de não mandar nada não passa de um aspone na Ceaf Paulista. Zé ou topete como queiram, deveria se preocupar mais com as escalas em vez de gastar seu tempo procurando uma forma de processar quem faz criticas a sua figura patética e desnecessária na FPF.

Obs. Não procuramos a Comissão de Arbitragem da FPF para que falassem dos critérios e esclarecessem as escalas, pois Dionísio Domingos não fala com o Blog e quando fala, só fala o que lhe é conveniente. já o aspone José Henrique de Carvalho, que só gosta de elogios, bloqueou nosso contato e quer nos processar pela singela homenagem em foto que fizemos a ele no ultimo post sobre a arbitragem paulista.

Como sempre, este espaço, democraticamente, está aberto para os membros da CEAF-SP ou qualquer outra pessoa citada no post.

Atualizado 17:31h: Minutos após este post ser publicado, a FPF corrigiu as escalas. Agradecemos a audiência!

Atualizado 18:10h: Após o post ser publicado chegaram novas informações sobre erros nas escalas. Em uma delas o árbitro Rogério Alves Junior estava escalado no sábado de manhã em Tupã nas categorias Sub-15 e 17 e a tarde em Rio Claro no Sub-20. Detalhe: 380 km separam as duas cidades. 

Enquanto alguns árbitros tem duas, três escalas por fim de semana, tantos outros são esquecidos. 

Pode isso Arnaldo?

terça-feira, 1 de maio de 2018


ANAF realiza assembleia e define processo eleitoral; Eleição deve ser em junho

   Foto: Marçal
Na ultima segunda-feira (30), ocorreu Assembleia Geral da Associação Nacional dos Árbitros de Futebol (ANAF). Os trabalhos, com inicio as 19:30hs, que foram realizados no Hotel Faial, em Florianópolis-SC, teve inicio com a leitura do parecer do Conselho Fiscal (Carlos Castro e Ronaldo Bento) referente ao terceiro trimestre de 2017. Após um breve debate, o parecer foi aprovado por unanimidade.

O segundo ponto abordado foi referente à eleição da entidade tendo em vista que mandato da atual gestão termina em agosto próximo. Pelo que ficou definido, o processo terá inicio neste mês de maio com atualização da lista de associados com direito a voto e abertura de prazo para os inadimplentes se regularizarem e assim definir o colégio eleitoral. Com tudo regularizado o pleito deve ser realizado em uma data ainda a ser definido no mês de junho. Dando sequencia nos trabalhos, foram indicados alguns nomes para comporem a comissão eleitoral (Johnny Barros-SC, Marcio Teixeira-MG, Wagner Rosa (RJ), Marcio Torres-CE), mas que ainda precisam de confirmação.
   Foto: Marçal
O atual diretor financeiro e candidato a presidência da ANAF, Salmo Valentim, disse que coloca seu nome a disposição no pleito buscando união para dar continuidade ao excelente gestão de oito anos exercida por Marco Martins e trilhar em busca de novas conquistas para a categoria.

Outro assunto abordado foi à situação atual da arbitragem paraibana que vem passando por um momento delicado devido as denuncias da ‘Operação Cartola’ que culminou com vários mandatos de busca e apreensão de documentos na sede da FPF e em casas de dirigentes de clubes e de árbitros. Por conta disto, como foi definido na assembleia anterior que João Pessoa seria sede do próximo congresso em novembro, o local deve ser transferido, provavelmente para Santa Catarina, mantendo na Paraíba o congresso de 2019. A transferência aprovada em caráter preliminar deve ser confirmada ainda esta semana após tratativas entre os dirigentes.

Em sua fala o presidente Marco Antônio Martins disse que esta chegando ao fim do seu ciclo frente à entidade com o dever cumprido. Pontuou as conquistas mesmo nas dificuldades e agradeceu a todos os membros da sua diretoria, sem os quais não tinha feito nada. Para Martins, a reestruturação da entidade que preside herdada sem as condições mínimas de funcionamento e a profissionalização da arbitragem, foram às conquistas mais marcante da sua gestão, mas que são conquistas que ainda precisam ser consolidadas. Por fim disse que ainda tem uma missão que é terminar seu mandato com transparência conduzindo o processo eleitoral de uma forma que todos, respeitando o estatuto, possam participar votando e sendo votado legitimando seu sucessor para que este consiga implantar novas ideias e realizar projetos que agregue à arbitragem com as conquistas da sua administração.
    Foto: Marçal
Presentes na assembleia: Marco Antônio Martins (SC) – Presidente da ANAF, Salmo Valentim da Silva (PE) – Diretor Tesoureiro ANAF, Ronaldo André Bento (MG), Carlos Alberto Nunes Castro (RS) – Membro do Conselho Fiscal, Arilson Bispo da Anunciação (BA), Maicon Zuge (RS), Hélio Prado (SC).

Também presente na assembleia Cantucho João Setubal – Fundador da ANAF e associados do Sinafesc e do quadro de Arbitragem de Santa Catarina.

Veja abaixo mais imagens da assembleia. Fotos: Marçal








terça-feira, 24 de abril de 2018


CEAF Paulista mais perdida que cego em tiroteio

Comissão rasga regulamento novamente escalando árbitra sem índice masculino no profissional

A Comissão de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol (FPF) esta mais perdida que cego em tiroteio e isto é visível nas escalas e interferência nelas por parte de seus membros. A preocupação maior dos integrantes deste importante departamento da FPF é afastar de vez a possibilidade de ser comprovado o ocorrido na final do estadual deste ano quando Dionísio Roberto Domingos teria interferido na decisão do árbitro fazendo com que ele voltasse atrás em uma marcação de pênalti configurando interferência externa, o que gerou enorme polêmica no jogo e segue até hoje nos tribunais desportivos.

Que esta comissão fez varias lambanças deste que chegou ao poder não é novidade para ninguém e ai podemos incluir chamada de atenção aos berros de membros da CEAF por parte de Dionísio em plena pré-temporada e escalar árbitro visivelmente fora de forma em final de campeonato fazendo com que este recebesse alta soma como premiação mesmo tendo atuado somente em metade das partidas do campeonato. Uma verdadeira magica, caso não seja algo premeditado.

LAMBANÇAS

Em janeiro deste ano a árbitra Adeli Monteiro foi escalada na partida entre Taboão da Serra e São Carlos valida pela segunda rodada do Campeonato Paulista da Serie A3. Ocorre que a árbitra não tinha, na oportunidade, aprovação no índice masculino para atuar nas competições profissionais do estado (Leia).

Mas o ocorrido não serviu como lição e aprendizado para que prestassem atenção e não cometessem o mesmo erro nas escalas futuras. Mas infelizmente o erro ocorreu novamente e pelo visto acontecerá outras vezes nesta bagunça que se tornou este departamento. Caso os trapalhões cometa o terceiro erro no mesmo quesito, terão direito de pedir musica no Fantástico

No ultimo sábado (21) a assistente Leandra Aires Cossete foi escalada na partida Flamengo (Guarulhos) e Joseense (São José dos Campos), valida pela terceira rodada da segunda divisão (escala acima). Ocorre que Leandra (estava habilitada para trabalhar no profissional no ano passado) não fez o índice masculino no ultimo teste físico, o que por si só deveria impedir a escala desta assistente no profissional atendendo as normas de classificação dos árbitros de futebol da FPF que na letra F consta: “as integrantes do gênero feminino, caso não atinjam os índices para as competições masculinas; farão avaliações de índice feminino para atuarem nas competições não profissionais”(veja abaixo).

No primeiro caso ainda conseguimos contatar José Henrique de Carvalho, uma espécie de Rainha da Inglaterra, que é o presidente da comissão, mas não manda em nada e ainda faz às vezes de garoto de recado de Dionísio Domingos – este sim, quem manda e desmanda de verdade e de tão poderoso até pênalti em partida decisiva faz o árbitro voltar atrás -. Desta vez não conseguimos contato tendo em vista que Dionísio não responde e quando responde não tem respostas concretas e José Henrique, que deveria ser o ventríloquo da vez (ilustração abaixo), nos bloqueou em seus contatos.


Como escrevemos em janeiro, repete se agora e o mesmo Dionísio que tem tantas exigências com os árbitros, da nova prova que sequer cumpre o que escreve!

Exigir o que dos árbitros se quem os lidera tem esse tipo de comportamento!

Obs. A árbitra não tem culpa, pois não pediu para ser escalada. Cumpriu sua função com competência e profissionalismo.

sábado, 31 de março de 2018


Suposto torcedor alvinegro apita decisão paulista


Na quinta-feira, dia 29 de março, a Federação Paulista de Futebol (FPF) realizou sorteio da arbitragem para a primeira partida da final do campeonato paulista deste ano. Na coluna 1 Leandro Bizzio Marinho e na 2 Flavio Rodrigues de Souza, com a um saindo vencedora.

Ocorre que o escolhido, como é do conhecimento de todos, é um fervoroso adepto das redes sociais, mesmo tendo sido orientado varias vezes para tomar os devidos cuidados durante a pré-temporada onde teve palestra especifica sobre o assunto.

Bizzio postou na sua rede social do facebook anos atrás (2012), comentários onde deixa margens para interpretação de ser torcedor do Sport Club Corinthians Paulista. Em outra claramente tira sarro do Palmeiras e arrisca palpite contra a equipe do Palestra.


Nada de mais, se a postagem não fosse de um árbitro escalado para apitar a final do estadual mais importante do país justamente entre o Corinthians, que ele deixa entender ser torcedor e o Palmeiras, o maior rival.

Bizzio cidadão tem o direito de torcer para quem ele quiser, assim como um árbitro de futebol profissional também tem esse direito, mas ele não pode em hipótese alguma tornar isso publico, pois se entende que ele tem que ser o mais isento possível e a postagem feita anos atrás tira qualquer possibilidade dessa isenção.

Qualquer erro, por mais simples que seja, que qualquer um poderia cometer, contra ou a favor do seu suposto time de coração, colocará sob suspeição sua decisão que para uns estará ajudando seu time de coração e para outros tentando provar isenção.

Tem varias postagens circulando pelos grupos de whatsapp. Veja abaixo algumas delas.



O pior de tudo isso é que os integrantes da comissão de arbitragem de São Paulo, todos eles, sem exceção, sabiam e sabem das postagens do árbitro mencionando o clube e até dão palestras especificas todo ano nas pré-temporadas por conta deste comportamento. Sabedores disso, não deveriam colocar o referido árbitro no sorteio da decisão e nem em qualquer partida disputada pelo Corinthians.

O Blog tem a informação que na pré deste ano, Dionísio Roberto Domingos, o todo poderoso diretor do departamento de arbitragem da FPF, disse aos árbitros para tomarem cuidado com as postagens nas redes sociais e citou dois casos como exemplo. Um deles de um jogador contratado pelo São Paulo FC, dispensado em seguida devido a uma postagem onde tira sarro do clube com um apelido proibido pelos lados do Morumbi. No outro exemplo, disse que tirou um árbitro da escala de uma final de sub-11, pelo motivo da mulher desse árbitro ter postado uma foto com a camisa de um clube grande da capital e ainda citou o ex-árbitro Rodrigo Braghetto também retirado de uma final do Paulistão por sua empresa manter contrato com o Corinthians na época.

Procurados, Dionísio Domingos e Jose Henrique de Carvalho não responderam as mensagens. Como disse, os membros da comissão sabem dessas postagens e do comportamento do árbitro, assim como a antiga comissão sabia no episodio anterior que Braghetto mantinha acordo comercial com o Corinthians.

A postagem é de 2012, mas o árbitro continuou com sua conta até o inicio da noite da ultima sexta-feira (30) e o fato de excluir a conta não apaga a sensação deixada pelas postagens que seu coração bate forte pelos lados do Parque São Jorge.

Longe deste Blog qualquer intenção de querer afirmar ou fazer qualquer ilação sobre a honestidade ou idoneidade do senhor Leandro Bizzio Marinho, apenas noticiamos os fatos gerados pelas postagens do próprio. Cobramos sim atitude da comissão de arbitragem da FPF que prega uma coisa e faz outra completamente diferente. Dentre tantas opções, escolheram logo a que deveriam evitar a todo custo mantendo critérios de escalas e de merecimentos como tem aqueles que se portam adequadamente para a função como sugerido pela própria comissão.

Corporativismo

Após uma prévia da matéria ser publicada na minha rede social, recebi varias ameaças e xingamentos de árbitros que se acharam perseguidos, principalmente de um grupo denominado ‘Regra do Jogo’ cujos membros Vitor Salzani, Fabio Abel e Guilherme Ceretta eram os mais exaltados. Ceretta chegou a sugerir um encontro de homem para homem, mas não disse o assunto e nem quem seria o outro homem!

Não que isso me assuste, pois já estou acostumado com esses tipos de ameaças, principalmente por anônimos e em rede social. O duro, que muito deles, já pediram algum tipo de favores como matéria promocional, fotos, comentários favoráveis e até mesmo pedidos junto aos dirigentes, como se eu tivesse algum poder pra isso!

Mas fico feliz que isso tenha acontecido, até mesmo por que um ex-árbitro arrogante e prepotente que se refugiou fora do país após perder a boquinha por não ser aprovado nos testes físicos por estar fora de forma, se revoltou, saiu do armário e finalmente mostrou a cara. Como sabemos, toda categoria tem sua banda podre e as ameaças e xingamentos vindos dessas pessoas só reforça a certeza que estou fazendo a coisa certa!

O engraçado é que esses valentões no privado são bravos e corporativistas, mas quando deveriam aparecer lutando pelo direito de todos, exigindo dos dirigentes melhores taxas e condições de trabalhos, se acovardam e se escondem no anonimato aceitando tudo goela abaixo e caladinhos para não perderem a boquinha!

Veja os insultos abaixo.




quarta-feira, 28 de março de 2018



A Reforma Trabalhista tomou conta dos noticiários nos últimos meses, com as mudanças na legislação e no dia-a-dia dos trabalhadores. Como é um assunto que atinge de interesse nacional e para sanar algumas dúvidas, o Blog falou com as advogadas Dras. Katia Ribeiro, especialista em Direito do Trabalho e em Direito Previdenciário e  Roberta Karam Ribeiro, especialista em Direito do Trabalho em Direito Constitucional,  e membros da Comissão de Direito do Trabalho da OAB Tatuapé para abordar  os principais aspectos da reforma: 

BLOG do Marçal: Qual impacto da reforma trabalhista no dia-a-dia dos empregados? 

Dra. Roberta: A reforma trabalhista alterou mais de cem pontos da CLT, nas relações de trabalho, como por exemplo, a possibilidade de apenas 30 minutos de intervalo, o fracionamento das férias em 3 períodos, o banco de horas por acordo individual, a parametrização do dano moral de acordo com o salário, mas, a principal é a prevalência do negociado sobre o legislado.  

BLOG: Uma das maiores dúvidas é sobre o trabalho intermitente. O que é? Como é abordado na Reforma 

Dra. Roberta:  Segundo o texto da reforma, o trabalho intermitente é aquele cuja prestação de serviço estipulada em contrato de trabalho não é contínua, ocorrendo com alternância de períodos de prestação de serviços e de inatividade, determinados em horas, dias ou meses, independentemente do tipo de atividade do empregado e do empregador, exceto para os aeronautas, regidos por legislação própria.

Na prática, a empresa faz um contrato com um funcionário que fica à sua disposição até ser convocado para o trabalho. Quando precisar dele, a empresa tem de avisá-lo com pelo menos três dias de antecedência, e aí sim, o  trabalhador, presta serviços à empresa pelo tempo combinado, seja ele  qual for.

“A reforma trabalhista alterou mais de cem pontos da CLT, mas a principal é a prevalência do negociado sobre o legislado”  

Roberta Karam




BLOG: No seu ponto de vista, a reforma dificultará o acesso a Justiça do Trabalho? 

Dra. Roberta: A nova lei prevê honorários de sucumbência, multa para litigância de má-fé, pagamento de honorários periciais, além de criar regras para concessão dos benefícios da Justiça Gratuita. Não há dúvidas de que o ajuizamento de reclamação trabalhista deverá ser precedido de um estudo sério de viabilidade da causa e produção de provas. É preciso esclarecer que antes da Reforma, a Justiça Gratuita, era  amplamente concedida na Justiça do Trabalho, por meio de uma simples declaração de insuficiência financeira com a Reforma  será concedido apenas aos que receberem salário igual ou inferior a 40% do limite máximo dos benefícios do RGPS, o que atualmente está em aproximadamente R$ 2.200,00, ou à parte que comprovar insuficiência de recursos para pagamento das custas do processo.

Dra. Katia: Sim, a reforma trabalhista privilegia a  negociação entre empresa e trabalhador. É um esvaziamento da Justiça do Trabalho. Agora, o trabalhador, antes de ingressar com uma ação precisará analisar a disponibilidade de custos financeiros, e a possibilidade de produção de provas.   

BLOG: Você acredita que a Reforma Trabalhista causará algum impacto na Previdência Social? 

Dra. Kátia: Sim, com a reforma trabalhista, o trabalhador não terá mais segurança, o que aumenta o número de terceirizados e a rotatividade de trabalhadores, a longo prazo, teremos uma redução expressiva na concessão de aposentadorias, por exemplo.


“A reforma é um esvaziamento da Justiça do Trabalho. Agora o trabalhador precisará analisar a disponibilidade de custos financeiros e a possibilidade de produção de provas”   

Katia Ribeiro

BLOG: Qual a recomendação para os patrões  e empregados após a Reforma? 

Dra. Roberta: Primeiramente buscar  um advogado especializado em Direito do Trabalho para lidar com a legislação drasticamente alterada. Somente um advogado especializado em Direito do Trabalho pode ajudar empresas e empregados na busca de seus direitos e deveres. 

Dra. Katia: Acredito que o bom senso na livre negociação deve imperar como um fator de equilíbrio para a solução de qualquer litígio que possa ocorrer. E claro, procurar um advogado especializado em Direito do Trabalho é sempre o melhor caminho, pois, se tem condições de fazer uma análise minuciosa da causa, do caso concreto para evitar prejuízos maiores às empresas e aos trabalhadores.  

As entrevistadas:

Dra. Katia Ribeiro
- Especialista em Direito do Trabalho e Previdenciário pela Faculdade Legale.



Dra. Roberta Karam Ribeiro
- Pós-graduada em Direito Constitucional pela ESDC
- Pós-graduada em Direito do Trabalho pela Faculdade Legale;
- Membro da Comissão de Direito e Processo do Trabalho da OAB/SP Subseção Tatuapé; 
- Palestrante em Direito do Trabalho e Reforma Trabalhista.

Contatos:

E-mail: karamribeiroadv@aasp.org.br

Tel: (11) 3115:6025 

End: Rua Senador Feijó, 29 - 5º andar - Sala 503 - Sé - São Paulo/SP - (horário comercial)

segunda-feira, 12 de março de 2018


Denuncias na Seme. O que mudou! O que vai mudar? Nada!
No ultimo domingo (11) o Blog do Paulinho divulgou com exclusividade matéria relacionada à licitação pública para arbitragem da Secretária de Esportes do Município de São Paulo (leia) e a repercussão junto aos árbitros foi de imediato chegando ao nosso conhecimento várias outras informações e questionamentos e por isto, decidi escrever:

Diplomas:
Este contrato exige a apresentação do diploma de árbitro que o credencia a atuar em sua modalidade, sempre que solicitado pela SEME.

O que mudou? Nada mudou! Já existia essa exigência e que foi solicitada por algumas pessoas e órgãos e os campeonatos terminaram.

O que vai mudar? A fiscalização, porém, apenas se houver questionamentos.


Terceirização parcial ou total dos serviços:
Todos nós sabemos, inclusive a Secretaria de Esportes, que a quantidade de jogos é imensa e que nenhuma empresa teria árbitros aptos a trabalhar de forma regularizada em tantos jogos e por isso dividiu em lotes, inclusive o futebol – que foi dividido em dois lotes -. Em nossa opinião ao não proibir que a mesma empresa vencesse os dois lotes fez com que esta medida não surtisse efeitos práticos na qualidade dos serviços.

O que mudou! O futebol em dois lotes. Onde empresas diferentes venceram! Empresas de uma mesma família e que o grau de parentesco, avó e neta, ficam claros conforme ficha cadastral da Jucesp, disponível no portal do Pregão Eletrônico. 

Conforme mostra as certidões abaixo, obtidas na Junta Comercial do Estado de São Paulo, Ilda Spironelli (sócia da Shamou Esportes) é avó de Marina Spironelli (sócia da SFM Eventos) o que prova ser tudo em família!



O que vai mudar? Nada! As escalas provavelmente continuarão a ser feitas pela Associação de Árbitros da Grande São Paulo (AAGSP), em seus telefones, e-mails e funcionários como nos anos anteriores e conforme fotos anexas, inclusive, de redes sociais oficiais das empresas e da Secretaria de Esportes, conforme pode ser observado nas imagens abaixo.

Foto 1: Final dos Jogos da Cidade árbitros escalados e usando uniforme da AAGSP extraídas do site oficial da entidade.

Foto 2: Árbitros escalados e usando uniformes da AAGSP durante a fase classificatória e extraída de rede social oficial da Seme, inclusive, como as empresas do grupo venceram a licitação no dia 09/03, restando, apenas homologação, a empresa que verdadeiramente escala os árbitros já começou a busca pela mão de obra que é escassa e desqualificada, inclusive, ignorando o item acima comentado como mostra a foto abaixo extraída da pagina da empresa.


Impostos e obrigações da contratada:
O Edital ainda diz da obrigação de recolhimento do INSS e demais encargos legais, além, do envio da Conectividade Social, juntamente, com a medição dos serviços e NF-e. Solicita ainda que seja enviada as certidões fiscais, trabalhistas e previdenciárias.

O que mudou? Nada!

O que vai mudar? Nada! Os árbitros querem apenas trabalhar, não estão preparados intelectualmente para desconto do INSS e fiscalização dos valores à previdência, bem como, se a empresa está cumprindo com o seu papel. Eles querem apenas trabalhar e receberem.

Porém, neste aspecto, chamou-nos a atenção de que as empresas enviaram pelo BEC/SP e que estão disponíveis à todos e de forma pública, declarações de que não estão inscritos na Prefeitura de São Paulo como contribuintes, porém, ambas são de São Paulo – Capital e possuem C.C.M. junto à Prefeitura paulista e fica a pergunta: Porque entregarem declaração não verdadeira durante o processo do pregão. Vocês podem constatar nos anexos abaixo:


Na matéria publicada pelo Blog do Paulinho existe a informação de que nas declarações da empresa SFM Eventos Esportivos ainda existe fortes evidências de que a assinatura não seja da representante legal, pois, está muito diferente de sua assinatura registrada no Contrato Social da empresa e reconhecida em cartório. Os documentos são públicos e podem ser consultados e baixados pelo portal de Compras do Governo do Estado de São Paulo.

Ainda existe outro questionamento a ser respondido pela Seme: cadê a procuração com firma reconhecida dando plenos poderes para a específica licitação ao ser procurador Antônio Carlos Luz Mendes.

Conclusão:

O que mudou? Nada!

O que mudará? Nada!