Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

O árbitro e o carro do Presidente

Apreensão de carro do presidente da Federação de Futebol de Santa Catarina gera polêmica e suspeita de favorecimentos em Balneário Camboriú

Jefferson Schmidt e Delfim Peixoto 
Este fato que relato a seguir é meio que inusitado e meio que normal ao mesmo tempo devido ao jeitinho do brasileiro de sempre procurar levar vantagem em tudo e também ao uso da famosa frase "você sabe com quem esta falando!" que sempre visa favorecer os poderosos. 
Uma infração de trânsito seguida de apreensão de veiculo ocorrida em fevereiro deste ano em Balneário Camboriú, uma das mais bonitas, famosa e luxuosa praia de Santa Catarina, merece o registro mesmo que tardio não só pelas personagens envolvidas, mas principalmente pelos procedimentos das autoridades policiais que fizeram com que o poderoso local, o rei do Balneário, recebesse tratamento vip, bem diferente dos demais súditos. O veiculo vistoriado e apreendido foi uma BMW Z4 de propriedade e dirigido no momento da abordagem policial por Delfim de Pádua Peixoto Filho. 
Só para que fique registrado, Delfim é presidente da Federação Catarinense de Futebol há vinte e nove anos, herdou a presidência da entidade em 1985 e foi reeleito por sete mandatos seguidos, sendo que o ultimo que foi recentemente, só terminará em abril de 2019 completando então 34 anos no poder. 
O seu poder na terra dos barrigas verdes é tão grande que em 1996, como se fosse uma propriedade particular, transferiu a sede da FCF para Balneário Camboriú, tornando a única do país fora da capital do seu estado, mas coincidentemente próxima do endereço residencial de Delfim. O argumento usado na ocasião foi que em Florianópolis, capital do estado, não houve interesse na doação de um terreno e material para a construção da nova sede e que o atendimento de outras necessidades não eram o suficiente.

Delfim e seu brinquedinho de luxo
Na noite do dia 24 de fevereiro do corrente ano, Delfim trafegava com sua possante BMW pelas ruas do Balneário quando foi surpreendido por uma Blitz policial. Como os militares eram de outras cidades do interior em operação veraneio, nem sabiam com quem estavam lidando e fizeram seu trabalho como se deve, como exige a sociedade. 
Ao verificarem a documentação do automóvel de luxo, os policiais prenderam o veiculo por estar com a documentação atrasada. Mas o que eles não sabiam era que em vez de prender o automóvel e encaminha-lo ao pátio de carros apreendidos, como normalmente acontece com os veículos dos cidadãos comum, tiveram que escolta-lo até o batalhão da PM onde ficou guardado longe do sol, da chuva, da maresia e sob vigilância de vários soldados até que o debito fosse quitado no primeiro dia útil sendo liberado em seguida.
Jefferson Schmidt - Major PM-SC
Procedimentos segundo informações do comando da PM e noticiado pela imprensa local na ocasião, por ordem do Major Jefferson Schmidt, supervisor de dia da 3ª RPM. O oficial que determinou em procedimentos nada usual que o carro não fosse guinchado para o patio publico e sim recolhido ao Batalhão, além de atuar como oficial da Polícia Militar é árbitro do quadro da Federação Catarinense de Futebol. Para quem ainda não ligou os fatos, na parte esportiva, Schmidt responde diretamente a Delfim Peixoto, que segundo informações, além de presidente, é quem escala os árbitros no estadual.
Segundo apurado, ao saber que o carro seria guinchado e levado ao pátio de carros apreendidos, o presidente fez uma ligação, supostamente para Schmidt, e logo depois os policiais empenhados na ocorrência receberam ordem do alto escalão de que a BMW não fosse guinchada e que deveria ser encaminhada em comboio (escoltado) para o pátio do 12º Batalhão da PM.
O policial-árbitro teria mudado os procedimentos da apreensão do veiculo atendendo à pedido do presidente da Federação. Delfim confirmou ter feito a ligação sem revelar quem era seu "amigo" na PM em entrevista para o site da FCF. Já Jefferson Schmidt confirmou ter ordenado os procedimentos em mensagem ao Apitonacional.
A ação gerou muita polêmica e suspeitas de facilidades. Em nota, Marcello Martinez Hipólito - comandante do 12º Batalhão - falando sobre a ocorrência disse que não houve ilegalidade no ato de levar a BMW para o patio do quartel. Segundo a nota, há tempos a PM/SC optou por pátio contratado pelas prefeituras por falta de espaço nos quartéis
Mas pelo que parece, o espaço que falta é só para o cidadão comum, pois como visto, para uma pessoa importante como Delfim Peixoto, a PM-SC sempre encontrará espaço necessário, nem que para isso seja usado o próprio espaço reservado ao comandante.
Brinquedinho
Delfim usou o canal oficial da FCF para, segundo ele, esclarecer a situação. O vídeo de pouco mais de 12 minutos critica a repercussão do assunto nas redes sociais e a imprensa que supervalorizou o acontecido sem deixar de ressaltar sua adoração pelo veículo, que chama de brinquedinho.
"Tenho três grandes amores na minha vida. Primeiro a família, segundo o futebol, terceiro, carro. Adoro carro, gosto de carro desde jovem. É um direito que eu tenho. Se posso ter, é problema meu. E tenho um que é um brinquedinho, que todo mundo já viu, como se fosse um crime" - diz Delfim.
Por fim, o presidente da FCF disse o seu carro não iria ser guinchado para o depósito de carros apreendidos que definiu como "lixo" e usou da ironia que lhe é peculiar para pedir ajuda dos invejosos. 
"Aos que são do contra e acham que eu não poderia ter um carro, vão lá no banco e paguem um financiamento todo mês pra mim, eu gostaria! Ótimo! Mas não fiquem menosprezando ou invejando"! - encerrou Delfim (veja vídeo acima).
O que disse o policial-árbitro
Em contato com o Apitonacional, Jefferson Schmidt disse que:
“Realmente o fato ocorreu, porém não tanto assim! Ou seja, o veículo foi abordado em umas das barreiras montadas por nosso Batalhão de Polícia Militar. Estava com documentação irregular. Foram tomadas todas as medidas cabíveis ao caso. Sendo lavrado o AIT - Auto de Infração de Trânsito, Auto de Retirada de Circulação de Veículo, Expedição da Taxa de Diária e tudo o mais! O condutor do veículo teve seu carro multado e apreendido, conforme o que determina a Lei”! – explicou Jefferson Schmidt.
Segundo Schmidt, de acordo com o CTB a destinação do local para o veículo apreendido é dado pelo Agente da Autoridade  Trânsito. Em Camboriú existem dois pátios, um do Batalhão (quando há vagas!) e um terceirizado, localizado em uma cidade vizinha e que a conduta adotada foi estritamente dentro do que preconiza a Lei. Segundo ele em nada a Lei foi burlada ou deixada de lado.
Jefferson Schmidt - Árbitro
Quando perguntado se beneficiou Delfim Peixoto por este ser presidente da Federação Catarinense onde atua como árbitro, Schmidt disse que em momento algum isso ocorreu e apontou a idade do mesmo (73 anos) como um dos fatores para o tratamento “diferenciado”.
“O Dr Delfim em momento algum foi beneficiado como querem fazer acreditar. Teve tratamento igual como qualquer outra pessoa, inclusive com referência a sua própria idade, ou seja, com paciência, pois a confecção dos documentos relativos a ocorrência demoram um pouco para serem preenchidos e isto sempre causa certo desconforto para pessoas de idade avançada.  É diferente lidar com um jovem de 20 anos e um senhor de 70 e poucos anos” – frisou o árbitro.
Schmidt ainda confirmou que era o supervisor como mencionado e que não precisou comparecer ao local, pois tratou tudo via comunicação interna.
“Determinei que todos os procedimentos fossem feitos conforme determina a Lei. Doesse a quem doesse”. – encerrou Jefferson Schmidt.

Frase: Aos amigos a lei. Aos inimigos os rigores da lei (Getúlio Vargas).

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Arbitragem paraibana: Surgem raios de luz no final do túnel!
Sempre unidos: Genildo Jánuario e Elicarlos Lima

As eleições para a presidência do SINAFEP- Sindicato dos Árbitros de Futebol do Estado da Paraíba, com data prevista para o próximo dia 29 de setembro, prometia uma briga acirrada não só entre situação e oposição, mas também dentro da própria situação. Depois de muito tempo, dois candidatos seriam lançados para concorrer aos votos contra o atual presidente Genildo Januário, há oito anos no poder. Um deles será o árbitro Francisco Santiago, o outro seria Elicarlos Lima, ex-assistente CBF e vice da atual administração.

O cenário da tripla opção na cédula eleitoral que seria apresentada aos árbitros com direito a voto, ganhou força e enorme repercussão nas redes sociais quando o atual presidente manifestou a interlocutores à possibilidade de não concorrer a reeleição. Segundo informações, Genildo articulava sua candidatura à presidência da Federação Paraibana de Futebol caso Rosilene Gomes, afastada da presidência da FPF por decisão judicial, não concorresse ao cargo. Genildo tinha nos planos contar com apoio de Rosilene e de pelo menos dez clubes amadores do estado.

Recentemente em uma reunião – café da manhã – entre Genildo e Rosilene, ficou acordado que esta será candidata, pois segundo seus advogados, não tem como ser impedida pela justiça sendo que nada foi provado até o presente momento que a impeça de concorrer. Em contrapartida, Rosilene dará apoio para que a chapa de Genildo continue na presidência do sindicato.


Após Rosilene declarar ser candidata na FPF, Genildo mudou seus planos, voltou atrás e rapidamente alinhavou acordo com seu vice Elicarlos fechando chapa para concorrer a um novo mandato. 

Segundo informações, antes das eleições, os dois, Januário e Eli, decidirão qual deles encabeçará a chapa, mas tudo indica que deverá ser Januário tendo em vista que Elicarlos tem viagem programada para o exterior no inicio de 2015 onde estará a trabalho pela Marinha Mercante.

Acordo

No final do mês passado, houve outra reunião e esta fez surgir os primeiros raios de luz de progresso na até então velha, arcaica e desmoralizada arbitragem local. A reunião aconteceu na sede da Federação Paraibana de Futebol entre os membros da junta administrativa - Eduardo Faustino, João Máximo Malheiros e Ariano Wanderley -, o atual presidente do SINAFEP, Genildo Januário, seu vice Elicarlos Lima e o possível candidato de oposição Francisco Santiago (foto acima). Que resultou em conquistas importantes para a categoria.

No encontro ficou acordado que:

As taxas da primeira divisão para 2015 serão reajustadas para R$ 600,00 reais. Até este ano era R$ 456,00 reais. As diárias continuarão no mesmo valor praticado desde 2003, ou seja, R$ 50,00 para Campina Grande. O valor aumenta para R$ 70,00 reais quando a partida for realizada em cidades do sertão.


As taxas da segunda divisão deste ano, terá o valor de 300,00 reais para o árbitro, R$ 150,00 reais para cada assistente e R$ 100,00 reais para o quarto árbitro. Os árbitros perdem 156 reais em relação às taxas da primeira divisão deste ano, mais segundo os dirigentes, ganhará com o compromisso da FPF de pagar as taxas no campo antes ou depois das partidas conforme o estatuto do torcedor, inclusive pagará as diárias e as passagens, coisa que os clubes da Paraíba não fizeram nos campeonatos anteriores.

Para diminuir gastos dos clubes e dar chances a novos valores, os árbitros que atuam na CBF ou os do quadro A não serão escalados. Serão utilizados prioritariamente árbitros do quadro FPF na primeira fase da competição com a participação dos melhores do quadro novo (curso) 2012/13. Quando a partida exigir árbitro CBF ou do quadro A, as taxas serão de R$ 600,00 reais.

A FPF pagara diretamente aos árbitros as taxas e diárias conforme estatuto do torcedor - antes eles recebiam diretamente dos clubes mandantes.

Nota do Blog: Segundo mensagem enviada por um árbitro da Paraíba a redação, Genildo Januário teria vendido a categoria, pois o acordo feito com a Junta rebaixa as taxas da competição que antes era R$ 400,00 e baixou para R$ 300,00.

A escola de formação de árbitros, passará para o sindicato que formará os novos homens do apito em parceria com a ANAF conforme determina a lei Pelé. Antes eles eram formados exclusivamente pela FPF.

Esta sendo realizado pelo sindicato com apoio da federação, estudos para que seja implantado em 2015, contrato coletivo de trabalho da categoria. O acordo que será nos moldes adotado em Alagoas, terá uma lista de árbitros apresentado pelo sindicato que deverão ser aprovados pela federação.

Para que o acordo seja implantado, algumas contrapartidas terão que ser apresentadas pelos representantes da categoria, como a diminuição do quadro, dos atuais cem árbitros para no máximo cinquenta e a diminuição na idade média do quadro tendo em vista que árbitros com 48, e até mesmo 50 anos de idade continuam apitando jogos da primeira divisão. Também deverão ser retirado do quadro aqueles que não estão comprometidos com a arbitragem e que só querem escalas.

Oposição

O candidato à candidato de oposição, Francisco Santiago, 37 anos, nem oficializou ainda sua candidatura e já enfrenta a mão pesada do sistema, como gosta de frisar um importante personagem da arbitragem paraibana. Nos bastidores, a formação de árbitro de Santiago, por uma Associação do Maranhão, tem sua legalidade colocada sob suspeitas. Se quiser que sua candidatura seja levada a sério, terá que acabar com os boatos e a melhor maneira seria tronando publico seu diploma e a legalidade do mesmo.

Sede

Após a polêmica do sumiço de materiais dos árbitros, a FPF pediu que o sindicato deixasse suas dependências que ocupava desde sua fundação. Pedido aceito de imediato pela entidade que esta funcionamento provisoriamente na rua Rodrigues de Aquino, 310 - Centro – João Pessoa-PB.

Obs. O Apitonacional tentou contato com Francisco Santiago, mas não obteve sucesso. O espaço esta aberto para caso o mesmo queira se pronunciar

Mensagem:Em época de eleição não é preciso procurar quem fala a verdade, mas quem fala menos mentiras” (Claudiney Ribeiro).

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Atualizado ás 18:02hs

Ele nasceu em Poços de Caldas-MG, de família influente, seria parente de um ex-ministro do governo Fernando Henrique Cardoso, mudou-se para Brasília onde se tornou servidor público federal, fazendo carreira de analista de comércio exterior no Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. 

Segundo o Portal da Transparência do Governo Federal, o cargo, classe S padrão I, é um dos mais bem pagos do país com salário base no mês de junho de R$ 19.094,07, mas com as remunerações eventuais e efetuando os descontos, o servidor recebe livre R$ 22.773,48 para uma jornada de 40 horas semanais. 

Segundo a ficha de servidor de Sandro Meira Ricci, disponível ao publico em geral no portal da transparência (clique aqui), com data de abril de 2003, não houve nenhuma ocorrência de afastamento ou licença.

Você deve estar perguntando: qual é o problema de ser servidor público federal? Não haveria problema algum, não fosse o fato do servidor, no caso Sandro Ricci, ter que se ausentar de Brasília para apitar jogos em dias de semana em cidades bem distantes como São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Rio Grande do Sul, Belo Horizonte, Fortaleza e até mesmo fora do país. Sandro passa cerca de metade da semana ausente do Ministério em que trabalha para apitar jogos. Isso significa que além das taxas que ele recebe para apitar as partidas, eu, você e todos os demais que pagam impostos nesse país, e não é pouco, estamos pagando para ele trabalhar sem mesmo comparecer ao local onde trabalha, pois duvido que as ausências sejam descontadas do seu salário como seria de um simples trabalhador.

Carreira meteórica

Mas não é só nos gabinetes de Brasília que o tucano mineiro é influente, mesmo não sendo unanimidade recebendo criticas de todos os lados, sua carreira na arbitragem até aqui foi meteórica, pois se formou árbitro em 2003 pela federação do Distrito Federal, ingressou na CBF em 2006 e em 2007 já atuava na Série A do campeonato brasileiro.

Como todo mineiro tem a fama de comer pelas beiradas, com ele não foi diferente, só que em prol da carreira, segundo algumas informações, teria comido tudo, literalmente tudo que veio pela frente. Entrou na CBF quando a ordem era para as federações não promover e sim diminuir o numero de árbitros no quadro da RENAF.  

Na foto, José Renê Costa Galdino, Sandro Ricci e o "padrinho" Edson Resende Oliveira

Devido a essas, digamos comilanças, para conseguir a vaga, teria usado de sua influencia com Edson Resende de Oliveira, seu descobridor, padrinho e chefe do apito brasileiro na época. Muitos dizem que seu padrinho tem um estranho amor pela forma de arbitrar de Sandro Ricci, pois este estaria sempre com o "apito" pronto para entrar em ação.

Maior erro

Numa partida envolvendo as equipes de Brasiliense x Formosa, Ricci conseguiu a proeza de dar dois cartões amarelos para o mesmo jogador sem expulsá-lo, no que talvez tenha sido seu maior erro na carreira, admitido até mesmo pelo próprio em entrevistas.

Veja abaixo vídeo com o erro absurdo de um árbitro mundialista.


Politica

É disparado o maior político da arbitragem brasileira, foi promovido aspirante à FIFA em 2009 mesmo não sendo o melhor aspirante e em 2010 ao quadro internacional  herdando a vaga do gaúcho Carlos Eugênio Simon. Estranhamente foi eleito melhor árbitro da temporada 2010 por vontade da TV que detém os direitos de transmissão e com votos suspeitos da então comissão de arbitragem da CBF. Participou e apitou a final do Mundial de Clubes mesmo tendo uma equipe do país no torneio e foi convocado para a Copa do Mundo sendo a terceira opção, pois na ocasião tinham pelo menos dois melhores qualificados do que ele (Heber Roberto Lopes e Paulo Cesar Oliveira). 

Na Copa do Mundo fez três partidas, todas elas sem expressão - jogos entre grandes e pequenos - pois o Comitê de arbitragem da FIFA o considerava sem experiência para os grandes jogos. Para a FIFA, Meira Ricci carregava no currículo alguns jogos importantes como a final da Copa do Brasil 2012, alguns confrontos da Libertadores e Eliminatórias da Copa, mas pouco para um árbitro de Copa do Mundo.

Papo furado

Seu forte bastidor durante a Copa lhe rendeu o apelido dado pelos outros árbitros que atuaram na competição de "Jive Talkin" (Papo furado), por estar sempre ao lado dos dirigentes da FIFA para supostamente tirar vantagem e apitar a grande final do torneio.

Veja abaixo o vídeo com a musica traduzida do grupo Bee Gees e entenda o porque do apelido dado pelos gringos. 

 


Pilares

Muitos acreditavam e ele mesmo admitiu em entrevista que poderia encerrar a carreira a após a Copa do Mundo, outros conhecendo sua vaidade afirmam que ele só faria isso se tivesse apitado a final, pois sairia por cima e seria endeusado pelos puxa saco de plantão pelo resto da vida.

Os dirigentes adoram dizer que a arbitragem é feita de pilares, Sandro só conhece dois, o politico e o de bastidores. O politico, principal pilar de sua carreira, é de amplo conhecimento de todos, pois através dele chegou a uma Copa do Mundo em curto espaço de tempo, mesmo sendo a pior das opções.

No segundo pilar, bastidores, seu veneno é mortal, sua maior maldade na arbitragem teria sido tirar o assistente baiano, Alessandro Rocha Mattos, da Copa do Mundo. Não que Alessandro, outro endeusado, não merecesse, mas essa suposta traíragem, se provada, mostraria bem o que ele seria capaz de fazer com quem julgue ameaçar seus planos.

Segundo informações enviadas ao Blog do Marçal, supostamente vem tramando há tempos o seu futuro na arbitragem. Alguns dizem que estaria tentando minar Sergio Corrêa, atual comandante da arbitragem brasileira, para ocupar seu lugar. 

Teria tentado o mesmo em Brasília quando atuava naquela federação, queria comandar o sindicato e a comissão de arbitragem, mas foi desmascarado por farta documentação. Expulso, encontrou guarida em Pernambuco, uma federação que apesar da alta soma gasta com a arbitragem, não consegue encontrar um digno representante do apito a nível nacional. 

Sua contratação a peso de ouro de nada adiantou, pois em pouco tempo se tornou "persona non grata" entre todos os times do estado e a FPF e os dirigentes do apito local tiveram que colocar o rabo entre as pernas e admitir incompetência importando árbitro de fora para as finais do último estadual.


Se antes se julgava o melhor dentro das quatro linhas e capaz de manipular a todos nos bastidores, retornou da Copa do Mundo pior ainda, seu caldeirão das bruxarias tem soltado raios de maldades em varias direções. Dentro de campo não consegue fazer três partidas seguidas sem polemicas, fora dele supostamente continua com o plano de tomar o poder da arbitragem a qualquer custo.

Pós Copa

Dentro das quatro linhas continua o de sempre, polêmicas e mais polêmicas! Apitou três partidas e cometeu erro em pelo menos duas. Na ultima partida, Vitória 2x1 Grêmio disputada na Bahia, exagerou no direito de errar o que rendeu muitas reclamações das duas equipes. Sem novidades, pois as reclamações fazem parte do cotidiano da sua carreira.

No primeiro gol do Grêmio, o atacante Barcos recebe a bola sozinho dentro da área, domina no peito com o auxilio do braço esquerdo e finaliza para as redes. Sandro Meira Ricci que tinha visão limpa da jogada, validou o gol.

Outro lance gerou muita reclamação por parte da equipe do Vitória, o jogador Alemão recebeu um lançamento dentro da área e após o domínio de bola recebeu um contato do pé do jogador do Grêmio, Geromel. Pênalti não marcado por Ricci.

No gol de empate do Vitória, o jogador Caio se apóia com as duas mãos nas costas do defensor do Grêmio, Pedro Geromel, para impulsionar-se e marcar. O lance fica nítido que o atacante da equipe baiana chegou à bola pelo beneficio desta jogada irregular.

E para fechar com chave de ouro as polêmicas desta partida, um pênalti assinalada ao melhor estilo Sandro Ricci, relou é falta.

O jogador Edinho do Grêmio corre ao lado do jogador Dinei do Vitória, disputando espaço dentro da área. Quando Dinei sente a proximidade de seu marcador, se joga na área e Ricci marca a infração. Não houve puxão, empurrão, abraço ou algo parecido. Houve contato normal, mas não suficiente para marcar a penalidade (veja os lances abaixo).


Como na arbitragem a parte técnica é a que menos conta, foi premiado com a indicação para apitar a partida final da Copa Libertadores e certamente será prestigiado por Sérgio Corrêa nas futuras escalas. Sergio Corrêa, amigo do "amigo" de estranha relação com Ricci, futuramente estará provando do veneno que esta ajudando a criar.

Depois não diga que não avisei!

Frase: "Os espinhos que vão me ferir estão sendo produzidos pelos arbustos que plantei" (Comentário de "Lord Byron" adaptado para o momento atual).