Pesquisar este blog

quarta-feira, 20 de setembro de 2017


CBF volta atrás e adia árbitro de vídeo 

Uma verdadeira zona, e daquelas bem fuleira, se transformou a CBF (Confederação Brasileira de Futebol) com seus comunicados e desmentidos sobre a utilização do árbitro de vídeo já na próxima rodada da Série A do Campeonato Brasileiro.

Primeiramente o principal dirigente do apito brasileiro, Marcos Cabral Marinho, disse na segunda-feira (18) pela manhã que a entidade não poderia usar os AVs por motivos técnicos, falta de treinamentos e pelo alto valor da experiência. A afirmação foi em resposta aos questionamentos da imprensa após gol de mão anotado pelo corintiano Jô contra a equipe do Vasco da Gama no dia anterior.


Logo depois, na parte da tarde, Marco Polo Del Nero, presidente da CBF, que não aguenta pressão, sucumbiu às recebidas de Eurico Miranda (presidente do Vasco) e determinou a imediata implantação do sistema árbitro de vídeo para acalmar Eurico sem sequer analisar as informações contrarias de seu subordinado que teve que aceitar a ordem com o rabo entre as pernas.

Desde a ordem impensada e impossível de ser colocada em pratica, reuniões e mais reuniões se sucederam entre os dirigentes do apito sem que chegassem a uma conclusão satisfatória e a entidade decidiu agora que só adotará o recurso árbitro de vídeo quando tiver condições de implementá-lo em todos os dez jogos de cada rodada, o que posso supor, não será neste campeonato.

Com os disse e desdisse, a entidade jogou a credibilidade do seu principal campeonato e da arbitragem na lata do lixo, mas o que esperar quando as decisões são tomadas por amadores. Fossem os dirigentes da arbitragem (Cel. Marinho e Sérgio Corrêa) dotados de inteligência e personalidade, teriam demovido de imediato Marco Polo de tomar essa decisão esdruxula preservando a entidade, a arbitragem e a competição mais importante de nosso país. Mas como são subservientes ao extremo, acatam sem contestar qualquer ordem de superiores mesmo que em contrario a tudo que defendem nas palestras, mas são incapazes de dizer algo que contrarie o ‘capo’ da CBF.


Segundo informações vindas do RJ, a ideia inicial de que algumas partidas poderiam ficar sem o árbitro de vídeo por questões técnicas repercutiu mal nos corredores e entre clubes que bateram o pé fazendo que a ideia logo fosse abortada pelo amedrontado Marco Polo Del Nero.

OBS. Após o fiasco da experiencia com AV em Pernambuco, a CBF abandonou o projeto por entender que o alto valor necessário para implantar o sistema e por não concordar com os protocolos da FIFA tendo em vista que as experiencias em Pernambuco mostrou a ineficácia na forma como estava sendo executada. 

A entidade sinalizou em varias entrevistas do responsável pelo AV, Sergio Corrêa, que aguardaria os resultados das outras experiencias que está sendo realizadas em outros países para decidir se e quando adotaria o uso dos AVs. Mas a ordem de Marco Polo Del Nero atropelou os planos dos dirigentes da arbitragem que foram pegos de calças curtas e agora como baratas tontas, não sabem como resolver a situação.

sábado, 26 de agosto de 2017

Verdades e mentiras!

Saiba mais sobre a gestão de Marcos Diniz frente à Confederação de Futebol de Salão do Brasil

No dia 16 de agosto, noticiamos aqui (post anterior), ampla matéria com denuncias sobre a atual gestão da Confederação de Futebol de Salão do Brasil (CFSB).

O presidente da entidade, Marcos Diniz, não respondeu oficialmente à nossa reportagem, porém, em suas publicações recentes em seu perfil pessoal e no da entidade nas redes sociais, ratificou algumas das nossas denuncias e infelizmente, segue sem esclarecer a verdade aos praticantes do "futsal clássico" sobre situações administrativas, financeiras e esportivas em que a entidade se encontra no presente momento, vivendo uma das maiores crises dos últimos anos.

Neste longo, mas necessário post, voltamos ao assunto com novas informações e documentos comprobatório que revelam como a entidade e consequentemente toda a modalidade vem sendo desrespeitada por aqueles que deveriam  não só proteger, mas promover o crescimento e difundir o esporte da bola pesada com tantas glorias ao esporte brasileiro.  

Filiação de Federações:
A CFSB soltou informativo de como as entidades devem proceder para pedir sua filiação junto a ela, porém, em desacordo com o Estatuto Social e sem divulgar os valores financeiros para que a mesma se concretize. Valores estes, que devem ser previamente aprovados pela Assembleia Geral, conforme Estatuto Social da entidade. Outro fato que chama a atenção é abrir prazo para filiação de 01/09 a 31/10 do corrente ano, diferente do "modus operanti" da todas as demais confederações (veja abaixo doc 01).

 O presidente da CFSB ainda encaminhou ofício à Federação Cearense, sobre como proceder para sua filiação (veja abaixo doc. 02) e novamente descumprindo o Estatuto Social da Entidade quanto à informação das taxas, o que fez, com que o gestor esportivo Karluso Lima postasse suas considerações sobre o tema, reiterando várias das nossas denúncias anteriores. (veja abaixo doc. 03).



Filiação da Federação Paulista de Futebol de Salão (FEFUSAL):
Tentando resolver a situação da federação paulista da modalidade junto à Confederação Brasileira, a diretoria nacional acabou caindo no maior erro administrativo da atual gestão, o que estatutariamente, pode-se, inclusive acabar com a cassação do presidente e do seu vice, por improbidade administrativa, se a Assembléia Geral para esta finalidade, for convocada.

Entenda:
A entidade determina que o período para filiação é de 01/09 a 31/10 e no dia 22/08 assina certificado de filiação da entidade  paulista (veja abaixo doc. 04), entidade que "oficialmente" não realizou sequer um evento desde a sua fundação (24/03/2017) (veja abaixo doc. 05).




Os interesses pessoais do Presidente da Confederação junto à federação paulista e o vínculo pessoal e de relacionamento entre as entidades, como mostra o doc. 06 abaixo, foi o principal motivo para esse "tiro no pé" e a retaliação pessoal de Marcos Diniz que ao assim agir, faz com que São Paulo se torne a primeira entidade hoje filiada à Confederação, uma vez, que em ato ditatorial e sem embasamento legal, desfiliou e entidade cearense e agora, proporcionou à ela o direito de se refiliar. 

Diante disto fica a pergunta deste blogueiro para ser respondida: qual o valor das taxas pagas CFSB pela FEFUSAL? Quando e de que forma as mesmas foram pagas?

Clubes, entidades, prefeituras e dirigentes foram enganados:
A tradicional equipe do Colorado de Jundiaí, a mais vitoriosa do futebol da bola pesada em nosso país, que conta com dirigentes sérios e comprometidos com a modalidade, que tem grande investimento financeiro em seu elenco, viagens e eventos, é com certeza mais uma vítima da má administração da modalidade, em sua esfera administrativa, esportiva e financeira, pois, possui como conquistas em quadras, eventos organizados e chancelados pela FEFUSAL em anos anteriores e que infelizmente NÃO PODEM ser de fato reconhecidos, como por exemplo, o Torneio Vicente Scherma, onde a equipe detém o título de campeão, por ter disputado em 2015 o torneio, organizado pela Fefusal com apoio da CFSB  (veja abaixo doc. 07), se houver seriedade por parte da Confederação, pois, a entidade estadual foi fundada somente este ano. Reafirmamos que o elenco do clube e sua direção em nada compactuam com os erros das entidades e em nosso entendimento são vítimas da história inventada.
Prefeituras como a de Várzea Paulista também foram vítimas ao sediar um "campeonato paulista feminino FEFUSAL" isso sem falar de equipes em outros edições do paulista feminino (doc. 08) sem que a entidade existisse juridicamente e muitas outras equipes e entidades foram enganadas na mesma história, inclusive, em eventos nacionais e neste caso prejudicando outros Estados como Minas e Ceará (doc.09).



Entre os dirigentes esportivos enganados na história da FEFUSAL destacamos Dr. Alárcon, presidente da AMF, que esteve a convite da CFSB prestigiando a final de um campeonato organizado pela entidade estadual e reconhecida pela filiada nacional junto à AMF, sem saber que aquilo era apenas mais um evento, sem contexto, uma vez que as equipes participantes disputaram mais em evento que não pode ser reconhecido, pois, quem realizou não existia juridicamente (doc. 10).


Não vamos nos estender nos prejudicados, fomos iludidos e enganados da história da entidade estadual com ciência e aval da CFSB, em especial de seu presidente, mas, não podemos deixar de citar instituições sérias que também foram "arroladas" no enredo, sem nada saber, como SESI (doc. 11) e Secretária de Esportes de Jacareí (doc. 12).



Diante do citado, novamente fica a pergunta deste blogueiro para ser respondida: onde estão os valores pagos pelas equipes para a disputa desses eventos? Quem vai responder pelo dolo causado aos participantes, que gastaram para nada ganharem de maneira oficial no contexto legal esportivo? Quantos atletas e dirigentes que foram enganados vão se manifestar e buscar seus direitos, pelo menos, do ressarcimento financeiro de serem enganados? Quantos vão ficar no silêncio? Qual a solução a ser dada pelas entidades do desporto envolvidas?

NOTA: Desejamos sucesso na recém constituída federação paulista e que ela tenha independência política para resgatar a modalidade no Estado e que realmente cumpra seu papel desportivo com lisura, transparência e pautada em seu Estatuto Social que foi consolidado.

CFSB publica que irá cumprir acordo:
Após nossa denúncia de que bolas da marca Kagiva estavam sendo usadas para pagamento de dívidas da CFSB com outros e de autopromoção pessoal, a Confederação e seu presidente, publicam que vão distribuir gratuitamente às bolas para as entidades, com o objetivo de divulgar e incentivar a modalidade, porém, sem informar os critérios de distribuição (doc. 13).


Restrições Financeiras e outros impedimentos:
Pelo fato da CBFS possuir restrição financeira em alguns órgãos de proteção ao crédito (veja doc. 14 abaixo), seu presidente, estaria solicitando com frequência que pessoas adquiram em seus CPFs necessidades da entidade do desporto e infelizmente, acaba, em algumas vezes atrasando ou não honrado com seus compromissos, prejudicando pessoas que também acreditaram no projeto. 


Abaixo declaração e cópia de um cheque de mais de R$ 20 mil reais dados para garantia de pagamento de hospedagem e alimentação, em evento internacional, do ano passado e de responsabilidade da CFSB para manter a discrição das pessoas. Desta forma garantimos a credibilidade das informações, por nós, divulgadas.


Mundial no Brasil:
A CFSB deseja confirmar sua inscrição para sediar o Mundial Masculino da AMF (doc. 15), inclusive, em comemoração à primeira conquista do esporte da bola pesada por nossa "amarelinha", o que consideramos, uma ótima iniciativa, porém, existe uma taxa internacional de US$ 40 mil (doc.16) e hoje acreditamos ser muito difícil esse projeto audacioso e sugerimos que antes desse passo importantíssimo a entidade se organizasse administrativamente e esportivamente e cumpra seu principal papel que é o de fomentar e desenvolver a modalidade em todo nosso território nacional.




Página oficial da AMF anuncia entidade inexistente:
O perfil oficial da AMF na rede social Facebook noticiou em 2016 reunião da nova diretoria da Federação Paulista da modalidade, o que à época não existia legalmente constituída e com seus Registros junto aos órgãos legais, principalmente, no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (veja abaixo). 


Pedindo explicações:
A Federação Cearense notificou a CBFS, via carta AR, solicitando diversas explicações e apresentação de documentos à diretoria executiva da entidade, principalmente, o Balanço Patrimonial , com aval do Conselho Fiscal e devidamente registrado, dos anos anteriores da gestão de Marco Diniz e que pelo que consta não existe tais documentos, o que o tornaria inelegível, segundo nossa Legislação e o Estatuto da Entidade (veja abaixo).


O lado do bem:
A CFSB com todos esses problemas administrativos e financeiros e mesmo agindo de maneira equivocada, vem fazendo um trabalho positivo em alguns aspectos e merece o apoio financeiro para algumas ações, principalmente, o mundial feminino (doc. 17) porém, aconselhamos que busque o apoio diretamente à Comissão Técnica e/ou suas atletas. Informações podem facilmente serem obtidas em redes sociais.



O Blog do Maçal tem o compromisso com a verdade e o que de bom for feito para resolver essas situações em prol do nosso desporto, o espaço estará aberto para divulgação dessas ações.

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Represálias

Após divulgar dividas, Federação de Futebol de Salão do Ceará é desfiliada pela Confederação da modalidade

Mesmo parecidos, o futebol de salão e o futsal são organizados por entidades diferentes. O futebol de salão é de responsabilidade da Associação Mundial de Futsal (AMF) e o futsal é regido pela Federação Internacional de Futebol (FIFA).

Com o sucesso do futsal, a FIFA tentou assumir o controle da modalidade entrando em um território que  tinha dono criando um impasse. Tentativas de fusão entre a FIFUSA e a FIFA foram planejadas, entretanto não vingaram e as divergências entre as duas entidades só aumentam desde então. O nome “futsal”, por exemplo, foi criado pela FIFUSA, porque a FIFA proibia o uso do nome “Futebol” numa modalidade que não fosse controlada por ela.

A FIFUSA perdeu força e acabou extinta no início da década de 90. Atualmente o Futebol de Salão é organizado pela Associação Mundial de Futsal (AMF), a qual a Confederação de Futebol de Salão do Brasil (CFSB) é filiada.

Seguindo o exemplo mundial, não é de hoje que o futebol de salão tradicional em nosso país encontra-se em brigas políticas e administrativas. O "esporte da bola pesada" hoje classificado como "futebol de salão clássico", vive uma das suas maiores crises políticas e administrativas da história do esporte no Brasil.

Aumentando a crise, a Confederação de Futebol de Salão do Brasil (CFSB), desfiliou recentemente a federação cearense da modalidade. Segundo apurado, teria sido em represália ao representante da filiada que teria exposto a CBFS e seu presidente, Marcos Paulo Diniz, em uma situação que envolve venda e permutas de bolas entre as partes.

Informado do ocorrido, o Blog do Marçal foi apurar as denuncias. Segundo apurado, o gestor esportivo Karluso Lima de Oliveira, ouvido por este Blog, informou que a desfiliação da Federação Cearense da modalidade foi um ato ditatorial praticado justamente contra a federação mais ativa e mais atuante no país, com calendário anual abrangendo jogos desde o escolar até o de alto rendimento em todas as categorias tanto no masculino como no feminino.

Segundo ainda o gestor, Ceara é o único estado no país com estrutura esportiva de clubes e associações vinculadas à Federação, com filiação de atletas, regimento de transferências e Tribunal de Justiça Desportiva.

"Para filiação ou desfiliação de qualquer entidade é necessário a convocação de Assembleia Geral e não via ofício assinado pelo ditador-presidente" - disse Karluso ao Blog do Marçal.

Veja abaixo o que diz o estatuto da CFSB sobre desfiliação.


Karluso ainda questionou o fato de jogadores terem que pagar desde uniforme até hospedagem e alimentação para defenderem sua Seleção Nacional e isso ser colocado via ofício pelo presidente da Entidade (veja oficio abaixo). 


"O futsal AMF é forte, tem uma entidade mundial atuante, séria e aqui não é diferente, só não podemos deixar que uma pessoa se ache o dono da bola e quando contrariado pegue essa bola e vai embora para sua casa. Esporte se faz com cobranças, planejamentos, ações, investimentos, renovações e sobretudo com transparência e verdade à todos! Nada tenho contra o Marcos Diniz pai de família e amigo, tenho divergências com o Marcos Diniz presidente e dirigente, por favor, não confundam!”

Finalizando o dirigente cearense disse:

“Quero também agradecer ao Blog do Marçal que nos procurou e por me ouvir via telefone, pelas mensagens trocadas via wats e e-mails e pela sua contribuição em dar voz ao nosso esporte, infelizmente em um momento delicado e chato, mas com o prestígio do Blog nosso grito por diálogo e mudanças se torna mais forte e alto".

Entenda

No ano passado, durante o Sul-americano de clubes disputado no município de Praia Grande, no litoral paulista, Karluso Lima afirma ter, a titulo de empréstimo, pago  despesas de uniformes da Seleção Máster que disputou evento amistoso além de despesas do evento relacionados a hospedagem e alimentação para evitar que pessoas fossem “convidadas” a se retirarem do hotel oficial da competição por falta de pagamento das diárias, o que geraria grande repercussão negativa ao Brasil, pais anfitrião do evento (Veja comprovante abaixo).

Em contrapartida, segundo Karluso, depois de tentar receber de todas as formas o valor emprestado, propôs ao presidente da CFSB converter o valor em bolas da marca Kagiva (patrocinadora oficial da entidade) para uso em seus eventos estaduais. Porém, ao receber as bolas, a Confederação publicou na página oficial que teria sido "apoio" ao estado do Ceará, escondendo a verdade acordada entre as partes. 

Clique aqui e veja postagens sobre a remessa das bolas. 

O Blog do Marçal também tomou conhecimento que esta situação está prejudicando, inclusive, a seleção brasileira principal, pois segundo muitos atletas, é prometido a eles uma infra-estrutura que não existe. O ex-goleiro da Seleção Brasileira e do Ceará Genuca Júnior (foto abaixo) postou um desabafo na sua mídia social. 

"Marcos Diniz, muito provavelmente esse meu comentário representará minha desgraça total dentro da atual administração da CFSB e já me preparo para nunca mais ser lembrado em qualquer convocação ou atividade dessa confederação, ainda que eu esteja no meu melhor momento, mas não posso mais segurar minha tristeza em meio a atual situação do Futsal AMF no Brasil. É lamentável os rumos que estão sendo tomados por alguns de nossos dirigentes" - Clique aqui e leia o relato completo do ex-goleiro.

Em pesquisas realizadas na internet e com clientes, fornecedores, árbitros e atletas, fomos alertados ainda a questionar os seguintes pontos:

> A entidade supostamente não tem conta bancária em sua titularidade, nesse caso, onde são depositados os recursos recebidos como por exemplo das vendas de camisetas da Seleção como mostradas nesse link (Clique aqui)

De que forma são efetuados os pagamentos à fornecedores e os recebimentos?

> Onde está publicado o Balanço Patrimonial e o parecer do Conselho Fiscal da Entidade nos últimos anos?

> Onde está publicado a prestação de contas da entidade com exibição dos documentos fiscais e legais que deram origem à eles?

> Onde está publicado ou como ter acesso as minutas de parceria e colaboração com SESC, SESI e Secretaria de Esportes?

> Onde está publicado ou como ter acesso as minutas de propostas e parceria com as bolas Kagiva e Euro?

Marcos Diniz (óculos) ao lado do Diretor do SESI/Jacareí Paulo Coelho (foto facebook)

As denuncias não param por ai. O Blog foi informados também que até o mês de fevereiro algumas federações esportivas como por exemplo a FEFUSAL/SP (veja), e FEFUSPAR/PR (veja), supostamente só existiriam em redes sociais e estariam em processo de fundação, porém, já realizando e/ou apoiando eventos há pelo menos dois anos. Segundo ainda as informações, essas federações não teriam estatutos sociais, CNPJ e nem diretorias eleitas legalmente como pede o estatuto da CFSB.


Segundo as informações, Marcos Diniz, seria quem administra as mídias sociais dessas supostas entidades laranja e estaria usando pessoas que pode vir até prejudicá-las por eventuais crimes como estelionato, falsidade ideológica e formação de quadrilha ao propor e realizar eventos em parcerias com entidades públicas e privadas.

O que eles disseram

Atualizado 17/08/2017 as 17:01hs

O blog procurou as pessoas e entidades citadas na matéria. 

A Euro Sports informou que manteve parceria de um ano com a CFSB durante o ano de 2015 e que a parceria findou em 30 de dezembro daquele ano. Informou também que na vigência do contrato fornecia bolas oficiais para as competições.

Segundo o comunicado, todas as equipes deveriam adquirir bolas da marca Euro e não era do conhecimento da empresa que bolas eram comercializadas ou usadas como moeda de troca de dividas, pois não era esta a finalidade.

Por fim a Euro Sports informa que mantem parceira com a CNFS com quem tem contrato até 2018 e que apoia, patrocina e financia varios segmentos, porém todos sérios.

Também procurados, a Secretaria de Esportes de Jacareí e a unidade SESI Jacareí não responderam até o fechamento da matéria.

Procurado, Marcos Diniz não retornou nosso contato.


O espaço esta aberto para qualquer pessoa que, citado na matéria, queira se pronunciar.

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Beach Soccer atrasa pagamentos dos árbitros!

O Blog do Marçal recebeu a denuncia que a Liga Paulista de Beach Soccer (LPBS) não efetuou pagamentos a alguns árbitros e fornecedores em decorrência dos serviços prestados nos eventos realizados na cidade de Caraguatatuba no litoral paulista.

Em contato com alguns árbitros para apurar a denúncia feita pelos mesmos, eles informaram que "entendem o ocorrido com a entidade, mas que precisam receber, pois largaram os familiares e compromissos" para atenderem as escalas.

Em conversa com o Blog do Marçal, Douglas D´Andréa, presidente da entidade, assumiu os valores em aberto afirmando que todos irão receber e que basta ver as publicações na página da entidade que expõe toda situação desde o início. D´Andréa aproveitou a oportunidade para agradecer o grupo de oficiais de arbitragem e fornecedores que entenderam a situação, principalmente pela entidade ser nova, não ter receitas e por nenhuma equipe ou atleta ter pagado qualquer valor para disputar os eventos.

O Presidente afirmou ainda que após as denúncias feitas à Prefeitura local (Caraguatatuba), que culminou com a exoneração do Secretário de Esportes e o afastamento de seu primeiro escalão, o pagamento por indenização para a entidade que preside deve acontecer em breve. Para Douglas, a indenização do poder municipal é fruto da grande credibilidade dada à entidade que provou ter sido também vítima de uma situação de má gestão administrativa por parte da antiga administração esportiva da cidade.

O dirigente ainda faz um apelo para que independente da entidade, a modalidade tem que ser resgatada e levada a sério em nosso Estado. Douglas que é o nome mais forte da modalidade no Estado é também Secretário Geral da Confederação Brasileira de Beach Soccer, reafirmou que o prejuízo causado pela Prefeitura Municipal de Caraguatatuba atrasou todo o calendário esportivo da cidade e que o mesmo voltará assim que as dívidas forem sanadas.

Douglas D´Andréa

O presidente da Liga Paulista de Beach Soccer entregou ao Blog relatórios de atividades desde a fundação da entidade em Janeiro deste ano provando que a Liga estava em funcionamento. O relatório aponta 37 eventos apoiados e/ou realizados com chancela e/ou apoio e a presença de diretores da entidade em todos eles. Segundo ainda o relatório, dezessete cidades voltaram a praticar regularmente a modalidade e foi dada assessoria técnica a oito municípios para construção de novas arenas. Por fim, o dirigente afirma que a LPBS filiou 53 clubes e associações, todas elas com as respectivas documentações, além de 16 prefeituras.

“Filiamos 1.243 atletas, todos com ficha individual, realizamos campeonatos estaduais em todas as categorias e em ambos os sexos, realizamos torneio de clubes e jogos amistosos e festivais, formamos e diplomamos 83 novos árbitros, buscamos parceiros comerciais” – disse Douglas D´Andréa.


Em consulta à Prefeitura de Caraguatatuba a mesma confirma que em breve ocorrerá o pagamento por indenização e que essa providencia só foi possível após as denuncias efetuadas pelo Presidente da Liga e que abriu os respectivos processos disciplinares que correm sob sigilo.

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Gol da Board Brasileira

Análise do Gol do Inter x Luverdense 


A luz da nova redação e recomendações da regra 11, o lance que originou o gol do Internacional marcado contra a Luverdense na ultima terça-feira (18) pelo atacante Pottker, aos 46’ do segundo tempo, foi legal, mas que rasga o espírito da regra e do fair play (jogo limpo).

O assistente Márcio Eustáquio Santiago acabou sinalizando o impedimento em um lance que o árbitro Igor Benevenuto, ambos de Minas gerais, mandou seguir, gerando revolta entre os jogadores do time de Mato Grosso.

Um jogador em posição de impedimento só será marcado a infração se incorrer no jogo ativo (jogar ou tocar a bola) ou impedir que o adversário o faça! Cabe ressaltar que o "gesto e atitude" saíram da redação, portanto só fisicamente poderia configurar o tal "impedir".

No lance em questão o atacante do Inter, Willian Potker, ao correr pra jogada e ver o assistente assinalar o impedimento, automaticamente para na jogada, retarda sua ação e claramente impede que um dos adversários prossiga no lance. Ação causada pela precipitação do assistente que não aguardou a jogada concluir, mas que ocasionou a infração.

Veja o lance abaixo.



Mesmo que a luz da redação não se pudesse marcar o impedimento num primeiro momento, o desenrolar da jogada estava comprometido, já havia interferência clara do atacante na defesa e o árbitro deveria paralisar o lance. Sendo até sensível a aplicação de um bola ao chão, verificado o erro primário cometido pelo assistente.

O agravante na jogada que torna o gol imoral foi que o atacante que estava em posição no início do lance foi o que concluiu a jogada já com ambas as equipes paralisadas. Portanto o gol foi legal, mais imoral.

Por fim outro grande erro da interpretação da board brasileira é o tal desvio, rebote ou passe deliberado. Há quem diga que o tal "passe" veio do defensor do Luverdense, que ao tentar ser driblado, a bola toca na sua perna e vai pro atacante do Inter, onde não havia a menor intenção. Portanto apenas desvio o que não tira a posição de impedimento.

Conclusão gol brasileiro!

* Não menos lamentável do que a lambança no jogo, foi o vestimento da arbitragem que atuou de meia-calça, traje tipicamente feminino, quando orientação da CBF seria usar, nesse caso, camisa, calção e meias amarelas. Orientação também desrespeitada pelos imuteis árbitros de fundo que atuam de agasalhos.


quinta-feira, 29 de junho de 2017


O ‘Fiasco’ AV brasileiro


Dois meses depois de empatarem por 1 a 1 no primeiro jogo, Sport e Salgueiro se reencontraram na ultima quarta-feira (28) para finalmente decidir o campeonato pernambucano. E deu Leão, mas com polêmica, como já tinha sido na primeira partida.

O desorganizado futebol brasileiro esta cheio de episódios como esse. Num espaço de 52 dias foram disputadas as duas partidas finais do campeonato e como tem um presidente visionário, a FPF (Federação Pernambucana de Futebol) que gosta de inovar, de estar a frente das demais, não mediu esforços e recursos para fazer uso nas finais do inédito e famigerado árbitro de vídeo (AV), mesmo não tendo sido testado em nenhuma partida do campeonato. O resultado não poderia ter sido outro, lambanças nos dois jogos. Se a equipe do Salgueiro foi beneficiada no primeiro confronto com um pênalti inexistente a seu favor, foi terrivelmente prejudicada no segundo não sendo confirmado um gol legitimo a seu favor.

Na primeira partida, disputado no dia 18 de maio na Ilha do Retiro, já nos acréscimos do confronto, quando o placar marcava 1 a 0 para o Sport, o árbitro José Washington da Silva inventou uma penalidade para os visitantes que deu resultado igual e final ao jogo. 

Detalhe: Diferentemente do que se falou na ocasião, não houve participação do árbitro de vídeo na decisão de José Washington, pois o protocolo da FIFA não permite utilização do AV em lance interpretativo. Após a marcação da infração penal, o árbitro foi checar as imagens e após seis minutos de paralisação, de ter revisto o lance por cinco vezes, de ter opinião de não pênalti do quarto árbitro (Glaydson Lopes), manteve equivocadamente sua decisão.


Ontem, as equipes voltaram a se enfrentar, desta vez no modesto estádio Cornélio de Barros, na cidade de Salgueiro com arbitragem FIFA e diferentemente do esperado, o escudo não trouxe qualidade necessária nas decisões, pois também houve lambança e ela veio com participação decisiva de um assistente com participação na ultima Copa do Mundo e do arbitro (Wilton Sampaio) que esta sendo preparado para uma das próximas competições de seleções da FIFA. 

O lance ocorreu aos 24 minutos do segundo tempo, quando o placar ainda estava em zero a zero, o Salgueiro teve um escanteio a seu favor pela esquerda do ataque. A bola foi alçada na área, o zagueiro Ranieri tocou para o meio e o atacante Álvaro mandou para as redes. O lance, no entanto, foi invalidado pelo árbitro assistente Emerson Augusto de Carvalho, que assinalou a saída da bola pela linha de fundo durante a viagem da mesma para a área. Notem no vídeo abaixo que Emerson não estava no posicionamento correto na jogada o que o levou a cometer o erro.



Segundo informações de bastidores da partida, diferentemente do que esta sendo noticiado, Wilton Pereira Sampaio, árbitro do jogo, foi avisado pelo árbitro de vídeo (Pericles Bassols) que a bola não teria saído, que o gol deveria ser validado e ainda assim Sampaio foi a um monitor à beira do campo para olhar com seus próprios olhos. Cinco minutos depois, visivelmente assutado, o árbitro decidiu manter a decisão equivocada de seu assistente confirmando a irregularidade e reiniciando a partida através de tiro de meta.


A TV Globo, emissora responsável pela transmissão da partida, no entanto, não mostrou a jogada por nenhum ângulo conclusivo, que desse para perceber se a bola realmente teria saído.

Aplausos

Meus aplausos vão para Glaydson Leite, quarto árbitro da primeira partida, e Pericles Bassols, AV dos dois jogos, que nas duas respectivas decisões auxiliaram o árbitro com opiniões corretas, mas que  foram ignoradas pelos árbitros centrais, o que mostra que não adianta ter trabalho de equipe se o árbitro principal não tiver humildade o suficiente para aceitar.

O AV ainda esta em testes e muitas coisas ainda devem mudar antes de sua efetivação no futebol, mas as experiências realizadas no Brasil só demonstraram como não se deve ser feito e que as pessoas responsáveis pelo projeto precisam entender que elas não são mais importantes que o experimento, pois se julgam deuses do olimpo e suas vaidades podem selar o fim de algo que tem tudo pra dar certo!

FICHA TÉCNICA:
SALGUEIRO 0 X 1 SPORT
Local: Estádio Cornélio de Barros, em Salgueiro (PE)
Data: 28 de junho de 2017, quarta-feira
Horário: 21h45(de Brasília)
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Árbitro de vídeo: Péricles Bassols (PE)
Assistentes: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos SP)
Cartões amarelos: SALGUEIRO: Rodolfo Potiguar, Jean Carlos, Daniel Nazaré. SPORT: Durval, Lenis, Fábio, André
GOL: SPORT: Everton Felipe, aos 36 minutos do 2T

SALGUEIRO: Mondragon; Marcos Tamandaré, Ranieri, Luís Eduardo e Daniel Nazaré; Rodolfo Potiguar, Moreilândia e Toty; Jean Carlos (Dadá); Willian Lira e Álvaro
Técnico: Evandro Guimarães


SPORT: Magrão; Samuel Xavier, Ronaldo Alves, Durval e Raul Prata (Evandro); Rodrigo (Thallyson), Rithely, Everton Felipe e Diego Souza; Lenis (Leandro Pereira) e André. Técnico: Vanderlei Luxemburgo

terça-feira, 13 de junho de 2017

Jornalista Miriam Leitão atacada por milicianos do PT 
Jornalista relatou que foram "duas horas de gritos, xingamentos" e "palavras de ordem" contra ela e contra a TV Globo

 No inicio deste mês, dia 3 de junho, durante um voo da aérea Avianca de Brasília para o Rio de Janeiro, a jornalista Global Miriam Leitão, 64 anos, (Jornal O Globo e GloboNews), foi agredida verbalmente, de forma covarde, por um grupo de militantes petistas que, assim como ela retornavam para o Rio de Janeiro.

Miriam denunciou o ocorrido na sua coluna no Globo desta terça-feira (13). Leia abaixo seu relato.

O ÓDIO A BORDO

Por MIRIAM LEITÃO

"Sofri um ataque de violência verbal por parte de delegados do PT dentro de um voo. Foram duas horas de gritos, xingamentos, palavras de ondem contra mim e contra a TV Globo. Não eram jovens militantes, eram homens, mulheres e representantes partidários. Fui ameaçada, tive meu nome achincalhado e fui acusada de defender posições que não defendo."
________________________________________
Sábado, 3 de junho, o voo 6237 da Avianca, das 19h05, de Brasília para o Santos Dumont, estava no horário. O Congresso do PT em Brasília havia acabado naquela tarde e por isso eles estavam ainda vestidos com camisetas do encontro. Eu tinha ido à Brasília gravar o programa da GloboNews.

Antes de chegar ao portão, fui comprar água e ouvi gritos do outro lado. Olhei instintivamente e vi que um grupo me dirigia ofensas. O barulho parou em seguida, e achei que embarcariam em outro voo.

Fui uma das primeiras a entrar no avião e me sentei na 15C. Logo depois eles entraram e começaram as hostilidades antes mesmo de sentarem. Por coincidência, estavam todos, talvez uns 20, em cadeiras próximas de mim. Alguns à minha frente, outros ao lado, outros atrás. Alguns mais silenciosos me dirigiram olhares de ódio ou risos debochados, outros lançavam ofensas.
- Terrorista, terrorista - gritara alguns.

Pensei na ironia. Foi "terrorista" a palavra com que fui recebida em um quartel do Exército, aos 19 anos, durante minha prisão na ditadura. Tantas décadas depois, em plena democracia, a mesma palavra era lançada contra mim.

Uma comissária, a única mulher na tripulação, veio, abaixou-se e falou:
- O comandante te convida a sentar na frente.
- Diga ao comandante que eu comprei a 15C e é aqui que eu vou ficar - respondi.

O avião já estava atrasado àquela altura. Os gritos, slogans, cantorias continuavam, diante de uma tripulação inerte, que nada fazia para restabelecer a ordem a bordo em respeito aos passageiros.

Os petistas pareciam estar numa manifestação.

Minutos depois, a aeromoça voltou:
- A Polícia Federal está mandando você ir para frente. Disse que se a senhora não for o avião não sai.

- Diga a Polícia Federal que enfrentei a ditadura. Não tenho medo. De nada.
Não vi ninguém da Polícia Federal. Se esteve lá, ficou na porta do avião e não andou pelo corredor, não chegou até a minha cadeira.

Durante todo o voo, os delegados do PT me ofenderam, mostrando uma visão totalmente distorcida do meu trabalho. Certamente não acompanham. Não sou inimiga do partido, não torci pela crise, alertei que ela ocorreria pelos erros que estavam sendo cometidos. Quando os governos do PT acertaram, fiz avaliações positivas e há vários registros disso.

Durante o voo foram muitas ofensas, e, nos momentos de maior tensão, alguns levantavam o celular esperando esperando a reação que eu não tive. Houve um gesto de tão baixo nível que prefiro não relatar aqui. Calculavam que eu perderia o autocontrole. Não filmei porque isso seria visto como provocação. Permaneci em silêncio. Alguns, ao andarem no corredor, empurravam minha cadeira, entre outras grosserias. Ameaçaram atacar fisicamente a emissora, mostrando desconhecimento histórico mínimo: "quando eles mataram Getúlio o povo foi lá e quebrou a Globo", berrou um deles. Ela foi fundada onze anos depois do suicídio de Vargas.

O piloto nada disse ou fez para restabelecer a paz a bordo. Nem mesmo um pedido de silêncio pelo serviço de som. Ele é a autoridade dentro do avião, mas não a exerceu. A viagem transcorreu em clima de comício, e, em meio a refrões, pousamos no Santos Dumont. A Avianca não me deu - nem aos demais passageiros - qualquer explicação sobre a inusitada leniência e flagrante desrespeito às regras de segurança em voo. Alguns dos delegados do PT estavam bem exaltados. Quando me levantei, um deles, no corredor, me apontou o dedo xingando em altos brados. Passei entre eles no saguão do aeroporto debaixo de coro ofensivo.

Não acho que o PT é isso, mas repito que os protagonistas desse ataque de ódio eram profissionais do partido. Lula citou, mais de uma vez, meu nome em comícios ou reuniões partidárias. Como fez nesse último fim de semana. É um erro. Não devo ser alvo do partido, nem do seu líder. Sou apenas uma jornalista e continuarei fazendo meu trabalho.

O outro lado

Após os relatos e a repercussão do ocorrido, o Partido dos Trabalhadores emitiu nota, assinada pela senadora Gleisi Hoffmann (PR), presidente da legenda, na qual afirma orientar a militância “a não realizar manifestações políticas em locais impróprios e a não agredir qualquer pessoa por suas posições políticas, ideológicas ou por qualquer outro motivo”.

Leia íntegra da nota emitida pelo PT:

“O Partido dos Trabalhadores lamenta o constrangimento sofrido pela jornalista Miriam Leitão no voo entre Brasília e o Rio de Janeiro no último dia 3 de junho, conforme relatado por ela em sua coluna de hoje. Orientamos nossa militância a não realizar manifestações políticas em locais impróprios e a não agredir qualquer pessoa por suas posições políticas, ideológicas ou por qualquer outro motivo, como confundi-las com empresas para as quais trabalhem.

Entendemos que esse comportamento não agrega nada ao debate democrático. Destacamos ainda que muitos integrantes do Partido dos Trabalhadores, inclusive esta senadora, já foram vítimas de semelhante agressão dentro de aviões, aeroportos e em outros locais públicos.

Não podemos, entretanto, deixar de ressaltar que a Rede Globo, empresa para a qual trabalha a jornalista Miriam Leitão, é, em grande medida, responsável pelo clima de radicalização e até de ódio por que passa o Brasil, e em nada tem contribuído para amenizar esse clima do qual é partícipe. O PT não fará com a Globo o que a Globo faz com o PT.

Senadora Gleisi Hoffmann, presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores”

Repudio!


O Blog do Marçal solidariza-se com a jornalista e repudia os ataques covardes e desnecessários por parte de uma corja formada por simpatizantes e membros de um pseudo partido de quadrilheiros que saquearam este país.